Carregando
Recife Ao Vivo

CBN Recife

00:00
00:00
Negócios

Bolsa fecha acima de 100 mil pontos por primeira vez em quatro meses


Por: REDAÇÃO Portal

Dólar oscilou bastante, mas fechou em queda

Dólar oscilou bastante, mas fechou em queda

Foto: Medicamento remdesivir deu aos investidores Foto: Amanda Peroballi/Reuters/ABR

10/07/2020
    Compartilhe:

Agência Brasil

Pela primeira vez em quatro meses, a bolsa de valores fechou acima dos 100 mil pontos. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), subiu 0,88% e fechou esta sexta-feira (10) aos 100.031 pontos. O indicador alcançou o nível mais alto desde 6 de março, cinco dias antes de a Organização Mundial da Saúde decretar a pandemia de covid-19, quando tinha fechado aos 102 mil pontos. O Ibovespa seguiu a bolsa norte-americana. O índice Dow Jones, da bolsa de Nova York, encerrou esta quarta com alta de 1,44%.

O otimismo dos investidores se deve ao medicamento remdesivir, que reduz em 62% a chance de mortalidade do coronavírus, segundo a farmacêutica Gilead. Isso estimulará as pessoas voltarem a circular, ativando a economia e reduzindo custos do sistema de saúde. Nos EUA, o medicamento teve seu uso autorizado pela FDA, embora ainda em fase experimental.

No mercado de câmbio, houve forte volatilidade. O dólar comercial abriu em alta. Na mínima do dia, por volta das 9h40, chegou a ser vendido a R$ 5,38. No início da tarde, reverteu o movimento e passou a cair, até fechar em R$ 5,324, com recuo de R$ 0,02 (-0,37%).

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença.

No Brasil, a divulgação da inflação oficial em junho ajudou a segurar o dólar. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu para 0,26% no mês passado, depois de dois meses seguidos de índices negativos. A alta nos preços diminui as pressões para que o Banco Central continue a cortar a taxa Selic (juros básicos da economia), isso reduz a fuga de capitais financeiros do país.

 

Notícias Relacionadas

Comente com o Facebook