Carregando
Recife Ao Vivo

CBN Recife

00:00
00:00
Artigos

Cybereconomy: O que o Reclame Aqui tem a nos ensinar sobre LGPD


Por: REDAÇÃO Portal

As pessoas estão muito impacientes sobre alguns temas, e um deles é o envio absurdo de e-mails que não nos interessa e só faz lotar nossas caixas postais eletrônicas

As pessoas estão muito impacientes sobre alguns temas, e um deles é o envio absurdo de e-mails que não nos interessa e só faz lotar nossas caixas postais eletrônicas

Foto: Carmina Hissa é colunista do Movimento Econômico/Foto: divulgação

30/09/2020
    Compartilhe:

Por Carmina Hissa

A quantidade de reclamações postadas no Reclame Aqui no dia seguinte ao do início da vigência da LGPD surpreendeu aqueles que pensavam que a lei não iria pegar e que não iria ter pessoal suficiente para fiscalizar o cumprimento da lei.

As pessoas estão muito impacientes sobre alguns temas, e um deles é o envio absurdo de e-mails que não nos interessa e só faz lotar nossas caixas postais eletrônicas. Ou as ligações constantes que recebemos para oferta de produtos.

As empresas que apostaram que seria apenas mais uma lei que não teria aplicabilidade observaram incrédulas, quase instantaneamente, a quantidade crescente de reclamações dos usuários nas redes sociais e sites.

E, além das reclamações sobre usos não autorizados de dados pessoais, como o uso para envio de e-mail sem consentimento, há várias requisições apresentadas, que vão desde cancelamento de cadastro, retirada de lista de e-mails, exclusão de dados, dentre outros pedidos focados na LGPD.

A verdade é que contra provas não há argumentos, meus amigos, e essa lei vem com a força e o apoio da população.

Para comprovar esse comportamento de intolerância dos consumidores, foi realizada uma pesquisa em novembro de 2019, pela empresa de consultoria Accenture Interactive, na qual se constatou que 69% dos consumidores abandonariam marcas por uso invasivo de dados pessoais.

Nesse mundo tão conectado, com tantos golpes e crimes cibernéticos, as pessoas estão buscando cada vez mais visitar sites, bem como comprar em e-commerces seguros e para isso é fundamental demonstrar que a empresa está em compliance com a lei geral de proteção de dados.

As empresas tem na LGPD uma forte aliada para fazer com que o consumidor, o cliente, os parceiros e os usuários se sintam esclarecidos sobre os seus direitos, enquanto titulares dos dados, bem como atendidos, respeitados e protegidos em relação a sua privacidade e a seus dados.

E isso não é tarefa difícil para a empresa quando existe ferramentas de tecnologia no mercado para disponibilizar, de forma pratica e rápida, a adequação dos sites, principal porta de entrada dos usuários, como é o caso, a título de exemplo, da ferramenta oferecida pela Privally Global, empresa de tecnologia especialista em LGPD e GDPR, que possui um excelente sistema de governança de dados, organização das políticas de privacidade, consentimento de cookies e gestão de solicitações dos usuários, com informações sobre todos os direitos dos mesmos, de forma fácil, acessível e compreensível para todos.

A reputação das empresas e seu valor de mercado estão diretamente ligados e serão impactados proporcionalmente de acordo com a forma que tratam e respeitam os dados dos usuários.

Oferecer um canal de comunicação com o usuário, de forma acessível, prático e informativo minimizará reclamações em sites como o Reclame Aqui e, consequentemente, reduzirá os danos à reputação e à imagem da empresa.

Fica o alerta para as empresas que possuem internamente call center ou canal de SAC, que devem ser imediatamente orientados para, caso recebam algum pedido dos titulares dos dados, enviarem imediatamente ao DPO da empresa e informarem ao titular dos dados o canal adequado de comunicação, caso possuam.

E, por fim, é importante que as empresas guardem todos os logs e as conversas com os usuários para comprovar futuramente, perante a ANPD ou o Judiciário, que a empresa atendeu dentro do prazo previsto em lei, que é de 15 dias,  as solicitações dos usuários ou, caso não tenha conseguido atender, que apresentou o motivo pelo qual não foi possível fazê-lo.

Alguma dúvida? Manda um e-mail ou entra em contato comigo.

Carmina Hissa, Sócia Fundadora de Hissa & Galamba Advogados e da Infoteam Education, professora de Direito Cibernético em cursos técnicos, graduação, pós graduação e MBA desde 1997, palestrante, presidente nacional da Comissão de Compliance e vice presidente da Comissão de Crimes Cibernéticos da ABCCRIM,  Diretora Jurídica da Associação Brasileira de Segurança Cibernética da ABRASECI, membro do IBDEE,  da ISOC Capitulo Brasil e Member Cyber Master WOMCY, Latam Women in Cybersecurity. https://www.linkedin.com/in/carmina-hissa-17b52715/ @carminahissa

Notícias Relacionadas

Comente com o Facebook