Carregando
Recife Ao Vivo

CBN Recife

00:00
00:00
Artigos

Tecnologia mais Humana - Argumentando contra interfaces defeituosas


Por: REDAÇÃO Portal

Se queremos nos preparar de uma maneira apropriada para a era exponencial de amanhã, devemos fazer uma mudança drástica em nossa mentalidade

 Se queremos nos preparar de uma maneira apropriada para a era exponencial de amanhã, devemos fazer uma mudança drástica em nossa mentalidade
07/11/2019
    Compartilhe:

Lenildo Morais*

A tecnologia deve também focar, além da computação, em uma abordagem inversa ao que a sociedade está acostumada. Forçamos as pessoas a usarem novos aplicativos e ensinamos a elas quais botões pressionar para que possam utilizá-los. Mas se queremos colocar a tecnologia a serviço das pessoas, temos que torná-la mais humana. A utilização da computação cognitiva para fortalecer as pessoas, pensando em: inteligência artificial (IA), robótica, realidade aumentada (RA), realidade virtual (VR) e também realidade mista (RM). Para isso, é fundamental alterar completamente a interface homem-máquina (uma interface que consiste em hardware e software, que processa interações entre humanos e máquinas e traduz a entrada do usuário em sinais para máquinas, que por sua vez fornecem aos usuários o resultado desejado.

O cérebro humano não é feito para lidar com as interfaces atuais. A evolução em relação à tela sensível ao toque e às interfaces controladas por voz é inconfundível e testemunha muito mais facilidade de uso do que costumamos ter. Mas a experiência e operação do usuário ainda são baseadas em imagens e informações linguísticas. As interfaces são desenvolvidas de acordo com a ideia de que a interação humana com a tecnologia é secundária, não prioritária. Isso significa que toda vez que alguém utiliza a tecnologia, ele ou ela deve executar várias tarefas. Porque eles precisam executar uma tarefa e operar a tecnologia associada. Isso é extremamente cansativo para o nosso cérebro. A tecnologia não deve dificultar as coisas, deve significar valor agregado para todos no planeta. Mas isso só é possível se for o mais invisível possível.

Lenildo Morais

Tecnologia e capacidades humanas

As pessoas obterão poderes graças a desenvolvimentos tecnológicos, como os já mencionados AI, VR e MR. A lenta adoção de tais tecnologias garante que seu potencial não seja totalmente realizado.

Muitas tecnologias inteligentes são evitadas porque as pessoas acreditam que serão substituídas. Se você às vezes precisa acreditar na mídia, parece que ninguém em breve terá um emprego ou será útil. Mas o oposto é verdadeiro: precisamos nos esforçar para que as pessoas e a tecnologia andem de mãos dadas. Se a tecnologia faz parte do equipamento ou corpo de seres humanos, pode levá-la a um nível superior. Pode ampliar as capacidades humanas. Esse já é o caso hoje. Importante considerar que os sistemas de GPS são uma forma de realidade aumentada. Eles dão aos motoristas o poder de saber a rota correta para o destino.

No mesmo contexto, os carros mais sofisticados parecem companheiros para os motoristas, não um veículo de quatro rodas. Os sensores biométricos garantem que o carro detecte emoções. Você se sente triste? Em seguida, o carro pode fazer recomendações e, se necessário, assumir o volante para levá-lo com segurança ao seu destino. Proteção e segurança de forma personalizada, um incrível valor agregado.

Saúde como destaque

As novas tecnologias e interfaces possuem um amplo escopo de aplicação e, portanto, podem ser utilizadas em diversos setores. No entanto, ela acredita que os cuidados de saúde são os mais relevantes, mas infelizmente também os mais desafiadores, para obter uma natureza de alta tecnologia. Para isso, teremos que superar muitos regulamentos. Mas uma vez que superamos esse limiar, muito é possível. Um paciente, por exemplo, que está extremamente ferido por queimaduras pode ser levado a um mundo virtual onde pode ver muito gelo. Embora ele ainda possa ver suas próprias lesões na pele, seu cérebro assimila e ele acredita que está com frio. Dessa forma, a dor é esquecida e pode ser amenizada se livrando de grandes doses de analgésicos.

Mais diversidade

Se queremos nos preparar de uma maneira apropriada para a era exponencial de amanhã, devemos fazer uma mudança drástica em nossa mentalidade. As habilidades do século XXI devem receber muito mais atenção. Porque, embora acreditemos que a tecnologia não substitua as pessoas, devemos também estar cientes de que todos teremos que continuar aprendendo para permanecermos relevantes.

As empresas terão que insistir na diversidade. A maioria das tecnologias atuais é projetada por um grupo limitado de homens brancos e não deficientes. Eles também não veem problemas nas soluções tecnológicas atuais no momento, precisamente porque foram projetados para atendê-las e, portanto, nenhum outro grupo. As empresas hoje se beneficiam da atração de talentos com diferentes origens e visões, o que amplia sua visão. Dessa maneira, as empresas podem conceber e criar tecnologia de uma perspectiva holística. Na verdade, não se pode evitar: este mundo tem um amplo espectro de culturas e habilidades. Precisamos primeiro entender isso antes de desenvolver as tecnologias aleatoriamente.

*Lenildo Morais é mestre em Ciência da Computação pelo Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco. Pesquisador ASSERT - Advanced System and Software Engineering RESEARCH Technologies Lab. Gerente de Projetos da Ustore, empresa do Porto Digital de Pernambuco.

**Os artigos publicados não refletem necessariamente a opinião do Movimento Econômico

Notícias Relacionadas

Comente com o Facebook