Carregando
Recife Ao Vivo

CBN Recife

00:00
00:00
Cultura

O modernista Marcello Tupynambá ganha homenagem em disco via selo Sesc

Ouvir

Por: Sandra Bittencourt

Projeto digital reúne 11 releituras assinadas por talentosos intérpretes da MPB

Projeto digital reúne 11 releituras assinadas por talentosos intérpretes da MPB
03/09/2020
    Compartilhe:

Em comemoração aos 131 anos de nascimento do compositor Marcello Tupynambá, temos o lançamento do álbum digital ‘’São Paulo Futuro ‘’, via Selo Sesc. São 11 temas assinados pelo também cr´ítico musical e radialista paulistano, em versões atualíssimas feitas por grandes intérpretes da música popular brasileira. A plataforma Sesc Digital antecipa o lançamento para esta sexta, 4 de setembro, o projeto entra nas plataformas digitais em 09 de setembro.

Marcello Tupynambá , compositor de Tietê, cidade do interior de São Paulo,  criou mais de 300 obras, mas poucas são as gravações existentes - parte segue espalhada por sebos ou por registros em vídeos produzidos pelo pesquisador e diretor do Instituto Piano Brasileiro (IPB), Alexandre Dias. Algumas obras são mantidas em acervos históricos como é o caso do violino e partituras do artista que podem ser encontrados no Instituto de Estudos Brasileiros (IEB-USP) e também acessíveis pelo Acervo Digital Marcello Tupynambá.

Tupinambá é considerado referência às melodias do modernismo paulista e às canções com refrão e estrofes - algo não tão comum à época. As canções de Marcello Tupynambá, escritas entre as décadas de 1910 e 1950, fazem parte do espírito revolucionário da Semana de Arte Moderna de 1922, até porque os versos de suas canções se destacam por terem sido escritos por poetas como, por exemplo, Afonso Schmidt, Manuel Bandeira, Mário de Andrade e Menotti Del Picchia.

O álbum digital São Paulo Futuro - a música de Marcello Tupynambá, abre com Canção Marinha, versos de Mário de Andrade , interpretada por Fabiana Cozza e Toninho Ferragutti (acordeon). Andre Mehmari coloca seu inconfundível piano no maxixe São Paulo Futuro (1914) apontado como marco inicial na carreira do artista. O violeiro Roberto Correa vai de Viola Cantadêra , versos de Arlindo Leal . Pernambuco não fica de fora e comparece através do sempre talentoso pianista Dudu Alves, do Quinteto Violado, em Sou Batuta. Participam ainda os músicos Henrique Cazes ( cavaquinho ), Toninho Carrasqueira ( flauta ), Theo de Barros ( violão de 7 ) e Nailor Proveta ( clarinete).

Segundo Marcelo Tupinambá Leandro - musicólogo , bisneto do homenageado e idealizador do projeto - "o objetivo do disco é contribuir para que Tupynambá seja reposicionado como um dos fundadores da nossa música nacional, ao lado de Pixinguinha, Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga.’’ Para conferir o comentário completo acesse OUVIR.


 


 

 


 

 

Notícias Relacionadas

Comente com o Facebook