Carregando
Recife Ao Vivo

CBN Recife

00:00
00:00
Pernambuco

Saiba o que é FIV: busca pelo método cresceu entre famosos


Por: REDAÇÃO Portal

Gabriella Maciel Collier, médica ginecologia obstetrícia, especialista em reprodução humana, fala sobre o assunto que vem movimentando mundo dos famosos

Gabriella Maciel Collier, médica ginecologia obstetrícia, especialista em reprodução humana, fala sobre o assunto que vem movimentando mundo dos famosos
27/11/2023
    Compartilhe:

Fátima Bernardes, Ivete Sangalo, Karina Bacchi e Bárbara Evans. Você sabe o que essas mulheres têm em comum? As famosas recorrem à técnica da fertilização in vitro (FIV). Esta é uma das alternativas que as mulheres recorrem quando desejam ter um filho, e por diversos motivos, enfrentam dificuldades para engravidar naturalmente. Recentemente, Grazi Massafera e a cantora Ludmilla são outras famosas que revelaram ter adotado também este método.

Em comum, essas mulheres buscam tratamentos de Reprodução Assistida se tornarem mamães num futuro próximo. Os motivos para a busca pela FIV são diversos, há algumas dúvidas sobre o funcionamento do tratamento, é necessário que a paciente esteja saudável, há algumas indicações para pacientes obesas e hipertensas, assim como mulheres fumantes.

“A liberdade de uma decisão mais leve é uma das vantagens do congelamento de óvulos, te permite seguir suas metas pessoais antes da sonhada maternidade”, conta, Gabriella Maciel Collier, médica ginecologia obstetrícia, especialista em reprodução humana. Ainda segundo ela, a busca pelo procedimento vem crescendo, afinal traz a possibilidade do tão sonhado filho para casais héteros, homoafetivos, mães solos e até pais solos. Além disso, quem já teve um filho também pode se beneficiar do tratamento e planejar a segunda gestação junto com um médico especialista em reprodução assistida.

O último balanço do IBGE revelou que 38% delas ficaram grávidas com 30 anos ou mais. Nos últimos 10 anos, o aumento na faixa etária que vai dos 35 aos 39 anos foi de 63%, enquanto a taxa de nascimentos entre mães com até 19 anos caiu 23% no mesmo período. De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), o Brasil conta nos últimos 10 anos com mais de 380 mil ciclos de FIV.

 

A especialista pontuou algumas dúvidas sobre o tema:

 

O que é a Fertilização In Vitro? É um procedimento de reprodução assistida. A técnica tem como objetivo coletar óvulos diretamente dos ovários de uma mulher e utilizá-los com sêmen em laboratório. O processo inclui desde a fertilização até o desenvolvimento dos embriões, que são cultivados em meio de cultura e dentro de uma incubadora a 37ºC por 5 dias até serem transferidos ao útero materno.

Para quem a FIV é indicada? A FIV é indicada para casais que desejam engravidar e encontram problemas de fertilidade ou apenas querem preservar a fertilidade para um momento futuro. Também é indicada para mulheres que desejam uma maternidade solo e desejam engravidar no tempo adequado. 

Quais os riscos da FIV? Assim como todo procedimento médico, a FIV pode apresentar riscos, mas cada risco depende da condição de saúde da paciente, a consulta com um especialista é fundamental para alinhar as expectativas.

Quais as taxas de sucesso da FIV? As taxas de sucesso da FIV dependem de vários fatores, entre eles: idade da mulher, a qualidade dos óvulos e espermatozoides, obesidade, entre outros. De um modo geral, em torno de 20% a 40%, com variações significativas. 

Qual a faixa de idade que as mulheres podem recorrer a FIV? Não há uma faixa de idade definida, a partir do primeiro ciclo menstrual a mulher já pode congelar óvulos para futuramente procurar a FIV. Mas numa média geral, o maior público é a partir dos 30 anos.

A FIV não é indicada apenas para casais inférteis? Pelo contrário, a principal indicação da FIV é para casais que enfrentam dificuldades para engravidar.

O tratamento pode ser diferente para cada pessoa e ou casal?  Sim, o tratamento de FIV é altamente personalizado e leva em consideração a situação específica de cada casal. O protocolo de tratamento, a escolha dos medicamentos e os procedimentos podem variar com base nas necessidades individuais, histórico médico e resultados de testes diagnósticos.

 

Instagram: @dragabriellamacielcollier

 

Notícias Relacionadas

Comente com o Facebook